sexta-feira, 20 de julho de 2012

A peruagem de Rosane Collor





Domingo passado quase houve briga aqui em casa porque o meu marido e minha filha queriam ver outro canal de TV, na hora em que eu queria ver a entrevista da Rosane Collor, no FANTÁSTICO. Terminei perdendo a discussão, por minoria de votos, e me retirei para o quarto, me contentando com uma TV analógica de 14 polegadas que temos por lá.

Nada me surpreendeu mais na entrevista do que aquela demonstração de penúria financeira, quando ela diz que só recebe de pensão R$ 18.000,00 reais. Coitada da Rosane. Sempre foi um pouco burrinha, desde que se deixou enredar pela lábia do caçador de marajás. Agora, vem a um programa de grande audiência dizer que é pobre de marré, marré, marré, ganhando esta irrisória quantia. Meu Deus, quanta desfaçatez.

Ela confessa que o marido praticava magia negra, mas, diz que nunca participou das práticas mais pesadas. Talvez, tenha presenciado alguma morte de uma penosa do planalto, mas, nunca soube de nenhuma perua que tivesse sido sacrificada no altar da magia. Tenho certeza de que, no dia em que o marido dizia que iriam sacrificar uma perua, ela corria da Casa da Dinda com medo de ser confundida com a vítima. Eu não sei onde estaria Marta Suplicy nesta época. Deve ter escapado por pouco.

No entanto, o ponto mais interessante da entrevista foi a revelação de que ela está escrevendo um livro, para contar tudo que se passou naquele período. Além de interessante, foi surpreendente para mim que ela soubesse escrever. Pela idade com que casou, ela deve ter abandonado os estudos no terceiro primário, igual ao Lula. Pelo menos, deve ter estudado depois durante a vida pública, para usar o conhecimento quando caísse na privada. Sempre disse aqui que o ex-apedeuta-mor deveria ter feito o mesmo. Infelizmente, quando ele ia seguir meus conselhos caiu doente, e agora, depois da cura, não tem mais tempo pois tem que ensinar alguma coisa a um ex-ministro da educação.

Quando já havia começado a escrever sobre o tema, encontrei na revista ÉPOCA (apesar de eu preferir a VEJA) um texto do Guilherme Fiúza, intitulado “Rosane e a magia vermelha” ,que transcrevo em seguida para o deleite dos meus leitores e dos dele. Depois de lê-lo, tenho certeza vocês repetirão comigo: Como me ufano deste país! É uma peruagem só. Cruzes!

“Rosane Collor reapareceu em grande estilo. Em nome de Jesus, foi ao “Fantástico” pedir o aumento da pensão que Fernando lhe paga.

A ex-primeira-dama está indignada. Contou que tem amigas divorciadas recebendo R$ 40 mil de pensão, e nenhuma delas é ex-mulher de senador ou de ex-presidente da República. Rosane está sobrevivendo com míseros R$ 18 mil que Collor lhe dá.

Esse flagrante de desigualdade social há de comover o Brasil. E vem revelar a penúria dos herdeiros do esquema PC, provando que a gangue da Casa da Dinda era um grupo colegial perto dos profissionais de hoje.

Paulo César Farias extorquia empresários para reforçar o caixa presidencial e usava a LBA para empregar aliados. Santa inocência. Esse prontuário hoje não derrubaria nem o topete da presidente.

Carlinhos Cachoeira, o PC do século 21, mandava no Dnit – um dos órgãos mais ricos do governo federal. Dnit cujo diretor atendia a um emissário do PT para coletar verbas para a campanha de Dilma Rousseff.

Cachoeira era sócio clandestino da empreiteira que dominava o PAC, principal programa de obras do governo popular. Enquanto repassava dinheiro a empresas fantasmas do bicheiro, a empreiteira Delta recebia imunidade do governo Dilma – cometendo superfaturamentos em série sem ser afastada do PAC.

Diante de um esquema desses, PC e Collor ficariam assistindo de calças curtas e chupando pirulito.

Chega a dar pena de Rosane e seu marido trancados no porão fazendo magia negra contra os inimigos, vendo-se que hoje basta a presidente demitir meia-dúzia de aloprados para enfeitiçar toda uma nação (ou uns 80% dela).

O casal Collor não conhecia os poderes da magia vermelha.

Cachoeira é defendido pelo ex-ministro da Justiça de Lula e a CPI dá vida mansa à Delta e aos seus padrinhos federais. Profissionalismo é isso aí. Daqui a dez anos, nenhuma herdeira do esquema vai precisar mendigar aumento de pensão em público.”

Um comentário:

  1. Mulher é mesmo um bicho caro até depois de anos que vc já comeu ainda tem que pagar.

    ResponderExcluir