quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A invasão dos helicópteros e os processos do Dandan




Quem viveu no interior, como eu, pode ter uma ideia do que eu estou passando, se em sua casa tivesse um fogão a carvão e alguém dissesse: “Acabou o carvão; o homem que passa vendendo não vem esta semana.” Minha mãe se descabelava toda nesta situação pois sabia que teria que apelar para o fogareiro a álcool ao aprontar um péssima comida para a família. E meu pai ficaria uma fera.

Imaginem vocês, que eu, neste lugar ermo e sombrio, ainda estou sem internet (dizem que acabou o carvão) e eu apelo para que minha filha publique meus textos em meu blog (meu fogareiro). E não estou reclamando pois, pelo menos, ela me traz de viva voz alguma coisa que lê em casa, talvez, para não me deixar tão deprimida.

Ela me contou que a grande notícia do momento em Bom Conselho, foi uma invasão aérea na feira de sábado por um helicóptero, que, ao invés de balas e doces, lançava folhetos vituperiosos contra o Dandan. Eu nunca vi uma coisa destas. Gastar uma fábula de dinheiro, assustar a população, causar indignação do Poeta (soube que o Poeta, vendo que sua fonte poderia secar, fez uma entrevista em plena manifestação “espontânea”, onde motoqueiros, aos milhares se debatiam para lavar a honra ferida do Dandan), somente informar que o candidato andara se metendo em coisas lá pelas Alagoas que lhe renderam novos processos. Que horror! Cruzes!

Do meu ponto de vista, ser processado não é crime. Dentro do linguajar que vejo na TV sobre o mensalão, é apenas um indício potencial. Por exemplo, é sabido que o Dandan foi processado pelo assassinato do Morceguinho e diz que é inocente. Ora, gente, o Zé Dirceu diz isto todo o tempo. O problema é se os eleitores acreditam. Eu, se fosse processada por alguma coisa cabeluda (falar mal da vida alheia e algumas fofoquinhas bobas, não considero cabeludas) eu não me candidataria a nada, mesmo que me achasse inocente, pois faria meu eleitorado de jurado e não tenho este direito, mas cada um com sua cabeça. Por isto é que tento viver uma vida de retidão, que quase se resume de casa para missa e da missa para casa. E hoje, até esta rotina não posso ter mais.

Minha filha, e hoje minha contadora de histórias da mídia, me disse que nos folhetos que foram jogados em Bom Conselho havia números de processos e tudo mais, e ela foi olhar o que estava lá no tribunal. Quando sair daqui vou colocá-la na equipe do blog. O Júlio e o César, meus netos, tem a quem puxar em inteligência e vivacidade. Ela copiou e colou no Word que estou lendo agora aqui no meu laptop informações sobre um dos processos que pesam sobre o Dandan. Infelizmente, é um juridiquês danado e só entendo por alto, mas, ela foi além e copiou o endereço do tal processo. É esperta igual a mãe, e o processo pode ser visto aqui, por aqueles que estão hoje num paraíso, em comparação a mim, com internet.

Aqui eu me atenho a uma cópia do tal processo, e pelo que entendi, lá no foro de Maceió, há uma ação de execução fiscal por parte  de um tal de Exequente (que diabo é isto?) que é a Fazenda Pública Estadual e há três Executados (penso que ninguém perdeu a cabeça ainda, mas, este juridiquês é terrível) que são: João Paulo Gomes da Silva, Flor do Campo Produtos Alimentícios ltda e Danillo Cavalcante Vieira. Minha filha disse que viu na AGD que este é o nome de batismo do Dandan, e diante da invasão panfletária, cujo objetivo era ele e dava o número do processo, eu não tenho por que duvidar.

O que eu achei terrível foi o valor da causa (já me sinto quase no STF falando estas coisas e condenando o Zé Dirceu, mas, agora isto está mais longe porque a presidenta sancionou a lei de cotas raciais, e como mulata assumida eu não entro mais na universidade) de R$ 767.200,45. Eu nunca vi tanto dinheiro junto.

Porém, vamos ao ponto. Tudo começou, pelo que minha filha copiou e colou e eu estou lendo (e ela me disse que para isto basta acessar o link acima) em 28.07.2009, quando foi sorteado o processo (não sei o que isto significa e nem sabia que havia bingo nos tribunais), e como soe acontecer nestes caso ele rolou, rolou e rolou e quando foi no dia 22.04.2010 mandaram uma tal de Carta Precatória (eu fui ler pensando que fosse uma carta de amor, mas, como este nome eu já desconfiava que não era) que eu não entendi muito e a transcrevo aqui para que algum leitor menos burro do a burrinha jurídica que lhes escreve interprete. É coisa de bicho grande.

“Carta Precatória Expedida

Autos n° 001.09.009560-0 Ação: Execução Fiscal Exequente: Fazenda Pública Estadual Executado: João Paulo Gomes da Silva e outros Juizo de Direito da Unica Vara da Conarca de Bom Conselho-PE Pça. D. Pedro II, 34, Centro Bom Conselho-PE CEP 55330-000 OBJETO: CITAÇÃO DO EXECUTADO para que, no prazo de 5 (cinco) dias, pague o principal, acessórios, verba advocatícia e despesas processuais, ou efetue a garantia do juízo, através de: a) depósito em dinheiro; b) fiança bancária; ou, c) nomeação de bens à penhora, observada a gradação estabelecida no art. 11, da Lei nº 6.830/80, provando-os de sua propriedade, livres e desembaraçados. Inocorrendo o pagamento, ou a garantia do juízo, EFETUE A PENHORA, DEPÓSITO E AVALIAÇÃO de bens pertencentes ao Executado, com posterior intimação da constrição realizada. Em seqüência, deverá ser efetivado o registro do gravame junto ao Cartório do Registro de Imóveis, no caso de imóveis, como às demais repartições competentes, em se tratando de coisas móveis. Não sendo encontrado o Executado, EFETUE O ARRESTO de tantos bens quantos bastem para a garantia da execução, procedendo-se, então, na forma do estabelecido no art. 653, parágrafo único, do CPC. EXECUTADO: DANNILO CAVALCANTE VIEIRA, CPF 054.239.854-04, RUA DR. MANOEL BORBA, 232, CENTRO, BOM CONSELHO, CEP 55330-970. VALOR DO DÉBITO: R$ 767.200,45 indicado na CDA nº 536-1/2009. DATA DO CÁLCULO: 26/03/2009. PRAZO: O prazo para apresentação de Embargos à Execução, querendo, é de 30 (trinta) dias, contados: a) do depósito; b) da juntada da prova da fiança bancária; ou, c) da intimação da penhora (art. 16, da Lei nº 6.830/80). O Dr. Manoel Cavalcante de Lima Neto, Juiz de Direito da 19ª Vara Cível da Capital/Execução Fiscal, da Maceió, na forma da lei, etc. FAZ SABER A(o) Exmo(a). Sr(a). Dr(a). Juiz(a) de Direito da Comarca de Bom Conselho, que dos autos acima indicados foi extraída a presente, deprecando o seu cumprimento e devolução como de direito. Eu, Felipe Goes da Fonseca, o digitei, e eu, ________, Kirley Meira L. N. Paz Escrivã Judicial, o conferi e subscrevi. Maceió (AL), 22 de abril de 2010. Manoel Cavalcante de Lima Neto Juiz de Direito”

A ênfase no nome de batismo de Dandan é minha, o resto, inclusive os erros de grafia, eu apenas copiei e colei do que minha filha me trouxe. Este processo continuou rolando e sua última movimentação foi em 26.07.2012, e o texto indica uma coisa que não entendi: Autos conclusos. Para mim isto é um mistério. O que quer dizer? Que o Dandan e os outros executados morreram naquela grana preta ou ainda vão morrer? Ou foram perdoados? Não sei.

O fato importante para mim, como jornalista (embora, sem querer tomar o lugar do nosso jornalista-mor o Luis Clério, mas, me sentindo uma melhor do que o Poeta) é apenas informar aos eleitores, da mesma forma que fiz em relação aos gastos de nossos vereadores para se aprimorarem ou mesmo com os outros processos do Dandan, sempre partindo de documentos que são públicos e que o distinto público de Bom Conselho deveria saber para votar conscientemente nas próximas eleições. Um político ou um candidato a tal é um homem público e com tal, merece que  sua vida seja pública grande parte do tempo.

E pelo jeito, não sou só eu que tenho vontade de divulgar estes fatos. Aqueles que gastaram para invadir a feira de Bom Conselho, usando a tecnologia aérea, também tinham interesse em que o público tivesse conhecimento de coisas como esta. Penso que a forma não é a mais correta por ser bastante cara e assustadora para povo de Bom Conselho. O que o Dandan tem que fazer é apenas explicar o que está acontecendo com sua vida passada, presente e até futura. Se para isto isto ele tiver que usar um helicóptero, eu aprovarei a ideia, desde que o fato fique esclarecido e que Bom Conselho possa escolher com consciência.

O que minha filha falou sobre o envolvimento da Mamãe Juju no episódio, se houve algum precisa também ser esclarecido. Se só foi a leitura dos panfletos, nada demais. Quem sabe ela não contrata um helicóptero para panfletar dando explicações sobre sua renúncia!? Eu aprovaria também a ideia desde que o dinheiro público não entre em nada. E isto se aplica à varrição das ruas depois, o que seria em excelente trabalho para o Dr. Filhinho que, ouviu o clamor de mainha e não fala mais nada.

Só para findar, pois já vi um dos meus algozes acenando que por hoje basta, e volto a minha vida de tristeza sem a rede mundial de computadores e tornando à minha TV e à minha leitura (depois de Gabriela viciei em Jorge Amado e já estou em Capitães da Areia). Depois eu volto, espero... 

5 comentários:

  1. Considero que o nosso DANILLO GODOY, futuro prefeito de Bom Conselho será condenado sem dó nem piedade por ter assistido a morte de um professor valentão que levou três tiros no meio da testa para deixar de ser safado e gostar de dar pisa nos outros só porque era faixa preta, pelo brilhante promotor de acusação que é a alma penada do Zé Fernandes e de sua parceira a juíza Lucinha Peixoto. Eles, de mãos dadas, até já combinaram o parecerr do veredicto...........

    ResponderExcluir
  2. José Fernandes Costa30 de agosto de 2012 20:30

    Aos ignorantes e puxa-sacos, o meu desprezo mais veemente. - Aos manipuladores das consciências alheias, enlameados em processos mil, a minha mais desprezível repulsa. - 2. Autos conclusos porque estão prontos para o juiz despachar. - Depois volto a este assunto, noutro comentário./.

    ResponderExcluir
  3. O que esse budeja ou bosteja em blogs alheios não vale o que gato enterra..................

    ResponderExcluir
  4. José Fernandes Costa1 de setembro de 2012 10:34

    Bom Conselho tem quatro candidatos a prefeito. - Mas, no meio do caminho surgiu um aviãozinho trazendo panfletos apócrifos contra o candidato do BSDB. - Nesse imbróglio, tentaram responsabilizar a prefeita Judith pela chegada festiva do avião à cidade? - Até onde enxergo as coisas, não dá para botar culpa em ninguém, antes de visitar o Estado de Alagoas, com fins investigativos. - Mais: e o princípio de que "todos são inocentes até que se prove o contrário", não vale para essa trapalhada do helicóptero? - Conheço Alagoas, da Zona da Mata ao Sertão, passando por Maceió. Grande parte dos alagoanos não gosta de ser ofendida, nem lesada, tampouco lesionada naquilo que julga ser direitos seus. - Isso também ocorre com o povo de outros estados. - Mas em Alagoas, por tudo quanto lá eu vi e ouvi, o buraco é mais profundo. Então, por que não procurar o aviãozinho em Alagoas, onde estão, também, os processos constantes nos panfletos? - De outro modo, partindo do pressuposto de que aquela aeronave veio homenagear o candidato do PSDB, temos outra pista: por que não perguntar ao monsenhor da paróquia se ele pode dar alguma ajuda nessa questão. - Digo isso porque, segundo li no jornal, o monsenhor faz comício no púlpito da igreja, em favor do candidato do PSDB, na hora da missa. - Não sei se o monsenhor, assim agindo, está só "orientando os seus 'fiéis'" - Lembrem-se de que a grande maioria dos "fiéis" é quase cega. Mas ouve muito bem. - Isto é tem boas oiças./.

    ResponderExcluir
  5. Vc lucinha nem sei quem é, nem tão pouco quem colocou esse helicóptero, só sei que em nossa Bom Conselho não tem mais jeito o prefeito é Danilo Cavalcante Godoy porque se vc não sabe o que é democracia, pergunte a sua filha.

    ResponderExcluir